Traçado da A13 contestado

Cláudia Fulgêncio (Ano 2001)
Imprimir
Texto A A A

O novo traçado proposto pela Brisa para a ligação Almeirim-Porto Alto está a ser contestado pela população de Benavente. A fase de consulta pública do Estudo de Impacte Ambiental termina a 22 de Maio.

Um sobreiro cortado é a principal figura de uma campanha de sensibilização contra o novo traçado proposto pela Brisa para a auto-estrada 13 (Almeirim-Porto Alto), campanha que está a ser promovida pela Câmara de Benavente, com o apoio de alguns proprietários de herdades.

Há cerca de um ano a Brisa viu-se forçada a alterar o traçado que tinha previsto para a A13, pois o respectivo Estudo de Impacte Ambiental (EIA) não foi aprovado, na sequência dos protestos das populações de Foros de Benfica (Almeirim) e Foros de Salvaterra (Salvaterra de Magos), alegando a resultante divisão das suas freguesias, e a destruição dos concheiros de Muge.

A Brisa desviou então o traçado dois quilómetros para Leste nesses pontos mas, desta forma, como refere António José Ganhão, presidente da Câmara de Benavente, a população terá de se deslocar cerca de 13 quilómetros a mais para apanhar a auto-estrada, quer se dirija para Santarém, quer para o Algarve. Além disso, segundo o biólogo Joaquim Pedro Ferreira, com a construção da A13 serão destruídas zonas de montado de sobro, pauis, serão cortadas linhas de água com ligação directa ao estuário do Tejo e será impedida a livre circulação e reprodução de algumas espécies animais.

Na noite de sexta-feira, dia 4 de Maio, realizou-se uma sessão de esclarecimento, com cerca de 200 pessoas, entre autarcas, ambientalistas, empresários e população, e um abaixo-assinado começou já a correr o concelho, expondo as razões pelas quais a população está contra o novo traçado.

Para dar visibilidade nacional a esta campanha foi contratada uma empresa especializada em marketing ambiental, cujos técnicos vão elaborar um parecer de contestação, que será entregue no Instituto de Promoção Ambiental (IPAMB), no próximo dia 21 de Maio, um dia antes de terminar a consulta pública. 


A comunidade escolar também será envolvida: para além da distribuição massiva de cartazes e autocolantes, os 600 alunos da EB 2,3 Duarte Lopes, de Benavente, professores e encarregados de educação, vão escrever uma carta de contestação que será, também, entregue no IPAMB.

Os membros da comissão partidária, constituída pela autarquia, comprometeram-se a contactar os deputados de cada partido eleitos pelo círculo de Santarém, e António José Ganhão pretende reunir com o ministro do Ambiente, José Sócrates.

Estão também previstas visitas aos locais afectados pelo traçado, para as quais serão convidadas, no dia 11, associações ambientalistas, e no dia 15, jornalistas.

Comentários

Newsletter